Se eu fosse peixinho

Por Rafael Thomas

Não há quem não pare para apreciar um belo aquário. Mas para que os peixes vivam com saúde são necessários cuidados especiais.

Quem não se encanta ao ver um aquário? Observar os peixes nadando nos traz tranquilidade e nos leva a uma viagem subaquática. Ao pensar em peixes é quase inevitável não vir à mente o filme “Procurando Nemo”. Os personagens divertidos encantaram gerações e nos despertam a vontade de ter um aquário a cada vez que assistimos. Criar esses bichinhos é trabalhoso, mas não é um bicho de sete cabeças, bastam alguns cuidados para que o aquarista não faça mal aos animais.

Ter um aquário vai além de encher um vasilhame com água
Ter um aquário em casa é uma decisão que envolve dedicação e responsabilidade. O peixe é um animal de estimação como outro qualquer e requer cuidados. Ao cultivar esse tipo de pet é preciso entender que o animal sairá do seu habitat natural e será preciso manter sua qualidade de vida. O aspirante a aquarista deve ter em mente se o seu estilo de vida é compatível para criar esses animais e garantir a sua sobrevivência.

Para o aquarista Humberto Martins, muitas pessoas são instruídas de forma errada na hora de montar um aquário. Alguns vendedores não explicam normas e procedimentos que acabam levando os animais à morte. “Ao criar um aquário o maior erro é montá-lo direto com os peixes. Muitos não sabem, mas é preciso esperar pelo menos vinte dias para que se crie um ecossistema dentro do viveiro. As bactérias irão fazer a decomposição dos dejetos e impedir que a água fique turva e os peixes morram”, relata.

A água influencia diretamente na saúde do peixe
Os peixes e a água estão diretamente relacionados. O grau de acidez, o famoso pH, (potencial de hidrogênio), influencia diretamente nas espécies que habitam o aquário. Dependendo da quantidade de substâncias contidas na água ela é classificada como: ácida, neutra ou alcalina. A escala do pH foi criada em 1909 pelo químico dinamarquês Sorensen e consiste em uma escala variante entre zero e quatorze, onde o número sete é o neutro. Se o pH da água for maior que sete a água estará alcalina e quanto mais próximo do zero, mais ácida. No caso da água da torneira, os valores do pH estão entre 6,5 e 7,2.

Além da água é preciso ter cuidado com o tipo de peixe para cada aquário. Peixes de água salgada não podem viver em aquário de água doce e vice e versa. Alguns peixes, como os neons e os bandeiras, preferem água com o pH mais ácido. Isto porque, o seu habitat natural é originário do Rio Negro e seus afluentes, local com grande matéria orgânica em decomposição. Já alguns peixes como os lebistes e os ciclídeos africanos preferem águas mais alcalinas. Estas espécies são originárias de rios com grande quantidade de calcário dissolvido na água tornando-a mais alcalinizada.

Segundo Humberto, um dos erros mais comuns dos criadores é colocar peixes de águas diferentes juntos. Inserir um peixe de água ácida em água alcalina gera vários problemas à saúde do animal. A osmorregulação, que controla as concentrações de sais nas células para manter adequada as atividades metabólicas, afeta o rim e o sangue do peixe. A temperatura da água também deve estar adequada para que o metabolismo funcione perfeitamente.

Os objetos decorativos também precisam de atenção. O que muitos não sabem é que eles podem alterar significativamente o pH da água. Troncos e xaxins tendem a acidificar o aquário, já conchas e as pedras brancas de calcário, deixam a água mais alcalina. Mas a melhor forma de medir o pH é através de testes apropriados que podem ser comprados em lojas do ramo.

Quero montar o meu aquário, como devo proceder?
Escolher o local onde o aquário ficará é o primeiro passo. Não basta pegar uma mesa ou um móvel e decidir colocá-lo em cima. Esteja certo que a base de apoio suportará o peso do seu viveiro depois de montado. Prefira locais com tomadas próximas e que o sol não bata diretamente. Pense em um ponto estratégico para a visualização. Afinal, de que adianta criar peixes e não apreciá-lo? Tenha cuidado também com aquários e crianças, pois acidentes podem acontecer. E acima de tudo, o local deve ser de fácil acesso, operação, manutenção e limpeza.

Seu aquário pode ser de qualquer tamanho ou formato. Porém, especialistas indicam que os iniciantes optem por um que tenha no máximo 0,16 m3. Escolha os feitos em vidro com vedante em silicone. Para a iluminação, utilize lâmpadas fluorescentes especiais próprias para aquário. A escolha do areão e das pedras também são importantes. Elas são específicas e precisam ser lavadas para retirar toda terra e areia antes de serem aplicadas no viveiro.

Mesmo que use plantas naturais, não é suficiente para manter a oxigenação da água. Por isso, uma bomba de ar auxiliará no aquário. Priorize o uso das bombas com pedras porosas, já que elas também ajudam na movimentação da água. Use um aquecedor ou termóstato para manter a temperatura da água constante. Isto impedirá as variações bruscas que afetam diretamente a saúde dos peixes e plantas. Não se esqueça de instalar um termômetro fixo.

Depois de montado chega a hora mais esperada, escolher os moradores. Nesta hora é importante estar atento às espécies. O peixe betta, por exemplo, é um dos mais belos de água doce, mas não pode dividir o aquário com ninguém por ser muito agressivo. Quem gosta de peixes ornamentais, o kinguio é um belo exímio, dócil e indefeso. Recomenda-se que ele divida o espaço com carpas e cascudos, que não atacam e nadam devagar. Esteja atento também sobre a origem dos peixes.

Saber a procedência dos peixes também é muito importante. Por isso, compre somente animais em lojas especializadas. Evite peixes vendidos em ruas ou feiras livres, pode ser que sejam animais ilegais ou vítimas de contrabando. Humberto explica também sobre o risco de peixes contaminados, para ele os novos pets devem ficar em quarentena para não contaminarem seus animais de estimação.

Todo mundo já ouviu o ditado que o peixe morre pela boca. De fato isso é verdade. Para alimentar o pet basta comprar a comida industrializada, vendida em lojas de animais. Segundo o aquarista Humberto Martins, a quantidade de alimento deve ser observada, estima-se que em um aquário com dez peixes, a medida é de uma colher de sopa não muito cheia uma vez ao dia.

Rio tem o maior aquário da América do Sul
A cidade do Rio de Janeiro ostenta o título de possuir o maior aquário marinho da América do Sul. O AquaRio foi inaugurado em outubro do ano passado com 26 mil metros quadrados. O local abriga cerca de oito mil animais de 350 espécies, divididas em 28 tanques que utilizam 4,5 milhões de litros de água salgada. Estão expostos peixes da costa brasileira, do Caribe e do Indo-Pacífico.

Visitar o AquaRio não se resume a ver peixes. O local oferece atrações interativas, como um aquário virtual que permite o visitante criar o próprio avatar. Também é possível explorar o museu do surf, o museu da ciência com a estação do plâncton, um espaço destinado a estudar os seres microscópicos que habitam o mar. No aquário ainda pode-se conhecer a exposição de conchas, nela os presentes poderão conhecer um pouco mais das suas formas, cores, tamanhos e descobrir curiosidades sobre os moluscos.

Além dos museus, os visitantes podem experimentar o mergulho com tubarões e a possibilidade de dormir no aquário. A experiência da visitação noturna possibilita conhecer os hábitos dos animais durante a noite. Para quem deseja fazer uma visita ao local, o Aquário do Rio de Janeiro fica ao final do Boulevard Olímpico, em frente aos armazéns sete e oito. Para saber sobre os valores dos ingressos e horário de funcionamento acesse o site do AquaRio.

Também temos um aquário
O que muita gente não sabe é que a sede da é situada em um corredor cultural. A iniciativa da Prefeitura tem o objetivo de conservar o Rio de Janeiro de outrora, resgatando a memória da cidade. Para contribuir com este projeto, a associação exibe em sua vitrine um aquário de água salgada com 800 litros e 2 metros de comprimento. O nosso aquário, que abriga peixes asiáticos e do mar do pacífico, enfeita a sede da associação desde outubro de 2004, quando a loja foi inaugurada. Mas, foi a partir de outubro de 2016 que ele passou a encantar a nossa vitrine.

Ao apreciar o nosso viveiro é possível encontrar diversas espécies de peixes. Adultos e crianças podem contemplar o nosso true percula, conhecido popularmente por peixe palhaço e o blue tang, Peixe que inspirou a personage Dory, ambos do filme “Procurando Nemo”. No aquário da é possível contemplar algumas categorias como yellow tang, fox face, donzela, Red Mandarin e Cooperband, dentre outras. Humberto, que é o técnico responsável por fazer a manutenção semanal do aquário da , faz um alerta sobre as pragas que podem habitar o aquário. “As pragas costumam pegar carona em rochas vivas ou em peças de corais, se não forem controladas, podem levar os peixes a morte”. Segundo o aquarista, nenhum aquário salgado está imune deste mal que pode desequilibrar o ecossistema do viveiro.

O técnico explica que ter um aquário de água salgada requer cuidados diferenciados além dos de água doce. Para criar peixes salgados é preciso que o aquarista faça um curso específico ou contrate um profissional qualificado. “O aquário marinho requer mais atenção nos detalhes, para manter a água sempre salgada, utilizo sal sintético com água doce e eventualmente faço a reposição com a própria água do mar”, relata Humberto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *