Mendoza | Terra do Sol e do Bom Vinho

Por Rebeca Bruno

Mendonza é o centro vinicultor mais importante da América do Sul responsável pela produção de dez milhões de hectolitros anuais e o segundo maior polo turístico da Argentina.

Situada no meio do deserto argentino, aos pés da Cordilheira dos Andes, e com a marca registrada na produção de vinhos e azeites, assim é Mendoza, um verdadeiro paraíso para os amantes de vinho. Lá existem mais de 100 vinícolas abertas à visitação, um conjunto que ultrapassa 1.200 vinhedos e cerca de 144 mil hectares, responsáveis por quase 80% da produção de vinhos da Argentina.

Mendoza convida o viajante a sentar-se, relaxar e aproveitar o melhor do mundo dos vinhos. No meio do deserto, a cidade é uma das cinco maiores produtores e consumidores mundiais da bebida, sendo responsável pela produção de dez milhões de hectolitros anuais. E o curioso é que somente 20% são exportados. Assim, experimentar a produção in loco faz todo sentido!

Estar em Mendoza e não ver de perto todo o processo de produção, do plantio à degustação, seria um desperdício. Ao longo de 100 quilômetros de estradas, as bodegas (como são chamadas as vinícolas) são capazes de tirar qualquer abstêmico do sério!

A uva malbec, prata da casa que era desvalorizada pelos enófilos, ganhou um novo brilho ao ser plantada em terras mais altas. Pouco a pouco, os críticos foram destorcendo os narizes. De 15 anos para cá, as melhores bodegas de Mendoza têm assistido à peregrinação de enófilos de carteirinha. Mas não é preciso ser um connaisseur para aproveitar sua viagem. Pelo contrário. Com tantas vinícolas de portas abertas, Mendoza torna-se um parque de degustações de enologia tanto para os iniciados, como para os iniciantes.

É obvio que os vinhos não estariam completos sem pratos deliciosos. Assim, o turismo gastronômico é um dos principais focos de quem visita a cidade. Guarde boa parte de tempo para almoços e jantares divinos, pois eles podem durar quatro horas e, acredite, não será sacrifício algum permanecer à mesa durante esse tempo todo.

Gastronomia
As dicas gastronômicas são muitas e poderiam preencher todas as páginas desta edição, mas a ideia aqui não é despertar a fome, então vamos apenas dar uma visão geral, tudo bem? As bodegas oferecem diversas opções de menu degustação com pratos fixos, harmonizados com vinhos da casa, o que é uma ótima opção para quem quer provar um pouco de tudo e parrillas incríveis, com a comodidade de almoçar nas próprias bodegas.

Já no Centro de Mendoza há desde opções bem econômicas, focadas no público mochileiro, às mais arrumadinhas, pensando nas famílias, casais e viajantes em busca de conforto. Para quem sempre sonhou em comer em restaurante estrelado, Francis Mallman, um dos chefs argentinos mais famosos, tem um restaurante por lá, mas é indispensável fazer reserva para comer no 1884! Outras boas opções são o restaurante Azafran, com foco nas carnes, e o Maria Antonieta, que abre até para o café da manhã e oferece um menu bem variado. Ah, vale a dica que os jantares na Argentina costumam começar somente por volta das 21 horas.

Mas este destino tem muitas atrações. Além de conhecer suas bodegas e da excelente gastronomia argentina, é lá que fica o Monte Aconcágua, a maior montanha do hemisfério sul, com quase 7 mil metros de altitude. Isso sem falar nas paisagens incríveis, prática de esportes radicais, monumentos históricos e eventos típicos da cultura local.

Há também dois famosos centros de esqui, Los Penitentes e Las Leñas, para quem quer curtir o inverno. Já no verão, a Cordilheira dos Andes se torna o cenário perfeito para atividades de ecoturismo e aventura. Longas trilhas, pedaladas, rafting nas corredeiras, voos de parapente são algumas das opções mais procuradas.

O que fazer
É difícil pré-estabelecer quantos dias seriam suficientes em uma viagem a Mendoza. Mas em geral, vale a pena ficar pelo menos de três a cinco dias. Assim, é possível conhecer as regiões das vinícolas e as principais atrações com qualidade. Ao planejar o que fazer em Mendoza, é impossível deixar de fora as principais regiões vinícolas, que são: Maipú, Lujan de Cuyo e o Valle de Uco. Dedique pelo menos um dia inteiro para cada região e não irá se arrepender!

Maipú é a menor das três regiões, com cerca de 20 vinícolas, mas nem por isso deve ser tirada do roteiro, por ser uma ótima área para degustação de azeite de oliva, outro produto local. Outra excelente atração são as Termas Cacheuta. Com uma vista incrível para as montanhas, são um programa perfeito para relaxar. As opções de relaxamento são variadas: escolha entre um menu repleto de massagens, piscinas termais naturais, banho de lama – ou tudo junto. Se optar pelo full day spa, terá acesso a todos os serviços durante o dia. E caso não queira só relaxar, o complexo das termas também oferece atividades de aventura, como tirolesa, rapel, rafting ou trekking. Tem como não conhecer?

A grande Mendoza
A Grande Mendoza é a quarta região da Argentina em número de habitantes, sendo que uma metrópole possui todos os serviços de turismo e hospedagem, desde hotéis 5 estrelas a pousadas, cozinha nacional e internacional, além de agências de viagens especializadas para realizar todo tipo de atividade. Bem próximo e a poucos minutos de carro ou ônibus de Gran Mendoza está o departamento de Lavalle, localizado a noroeste da província. Lá é possível observar o contraste de paisagens entre o oásis e grandes áridos, espaços vivos e dunas de areia ondulantes. Lavalle encanta turistas com seu deserto, seus criadores culturais e identidade.

Dentre as opções sobre o que fazer em Mendoza, uma tarde no centro da cidade não pode ficar de fora. Entre os principais pontos turísticos está a grandiosa Plaza Independencia, o coração da cidade! Ao seu redor, há diversas lojas, além do Mercado Municipal, o Museu Municipal de Arte Moderna, com entrada gratuita e a Avenida San Martín, a mais importante de Mendoza. Ah, e um passeio pelo centro de Mendoza não está completo sem uma visita ao Parque General San Martín, uma imensa área verde no meio da cidade.

A cidade de Mendoza é a capital provincial política, administrativa e financeira. Foi o lugar escolhido por Pedro del Castillo para fundar a cidade que antigamente era o centro cívico provincial onde se construíram o Cabildo de Mendoza, a Igreja Matriz e a Plaza Mayor. Para proteger as ruínas destes edifícios, foi construído o Museu da Área Fundacional, onde os turistas podem entrar na história da cidade, desde a sua fundação em 1561, através de cada uma das salas que representam a passagem do tempo.

Outro local que precisa ser visitado é a La Enoteca. Declarada Patrimônio Histórico e Cultural, está instalada no espaço onde funcionava a Escola Nacional de Vitivinicultura, que formou os primeiros especialistas do país, entre 1897 e 1939, se consagrando um marco no que se refere aos estudos enológicos. A visita guiada introduz os visitantes ao processo de vinificação, oferece degustação e apresenta a mostra de maquinário antigo e a exposição permanente de vinhos das principais vinícolas da região.

Vale também conhecer o Terraza Jardin Mirador, que fica no último andar do prédio da prefeitura de Mendoza. Com acesso livre ao público, basta pegar o elevador até o sétimo andar para ter uma vista 360º da cidade – existem placas com indicação dos principais pontos da cidade para facilitar a visualização. Aproveite o passeio por Mendoza e suba até o Cerro de La Glória, um morro com uma vista panorâmica incrível da região. Lá encontrará um monumento em homenagem ao General San Martín, que liderou a guerra de independência da Argentina. Aliás, você vai ver estátuas dele por todo o país. Vá até o cerro no final da tarde, para ver o pôr-do-sol lá de cima. Vale a pena!

Tour de Alta Montanha
Um dos passeios mais deslumbrantes em Mendoza, é o tour de Alta Montanha, que acompanha a Ruta Nacional 7, importante estrada que liga Mendoza a Santiago. Ao todo, são 400km (ida e volta), por isso não programe mais nada para o dia desse tour. Pelo caminho, você vai poder admirar as imponentes montanhas da Cordilheira dos Andes, que estão sempre cobertas de neve. Além da paisagem estonteante da estrada, há diversas atrações ao longo do tour como o vilarejo de Uspallate, a represa Potrerillos e a curiosa Puente Del Inca, uma formação geológica com rochas de cores amareladas.

A próxima parada obrigatória para todos os visitantes é o centro de esqui Los Penitentes, que tem maior destaque durante o período de inverno para a prática de atividades esportivas e durante o resto do ano funciona como um local de lazer. Mas o grande destaque desse passeio é o Parque Provincial Aconcágua, lar da montanha mais alta de toda América, o Monte Aconcágua. A temporada dos alpinistas vai de novembro a abril, mas também pode-se fazer uma caminhada curta ou longa entre geoformas caprichosas, riachos e neves perenes.

Uma boa pedida seria, pelo menos, fazer o trekking de 2km até a Laguna Horcones, onde poderá apreciar uma bela vista para o Aconcágua. Las Cuevas é o ponto culminante da rota, onde o clima de paz se faz presente sobre 8 quilômetros de falésias e curvas íngremes até chegar ao Cristo redentor, que marca a fronteira entre a Argentina e o Chile. E se for no verão, ainda poderá subir o cerro até o Cristo Redentor de Los Andes.

Outra boa dica é a Reserva Natural Villavicencio, com uma importante fonte de água mineral, que fica a 50 quilômetros do centro de Mendoza. Para chegar até lá, você vai passar pelo Camino de Las 365 Curvas, uma entrada sinuosa e muito bela que, antigamente, servia de ligação entre Mendoza e Santiago. Entre as atrações da reserva estão o jardim de cactos e o Hotel Termas Villavicencio, que tem seu jardim aberto para visitação. Outros pontos que compõem o tour incluem o Mirante das 365 Curvas, de onde você tem uma vista do alto do Camino de Las 365 Curvas, e o Mirador del Aconcágua.

Turismo religioso
Centros religiosos são parte das atrações de Mendoza, com destaque para o Santuário de Nossa Senhora de Lourdes, localizado em El Challao (Las Heras), e para o grupo religioso formado pela Igreja de La Carrodilla “Padroeira dos Vinhedos” e do Calvário, onde na Semana Santa torna-se o ponto de encontro para a Via Crucis. Em Lavalle, as Capelas de Nuestra Sra. Del Rosario, de San Jose, o Cavadito e Assunção são responsáveis pelas mais importantes e pitorescas festas religiosas com procissões coloridas, rituais, canções e danças.

Dicas importantes
Não dá para contar muito com transporte público em Mendoza. As opções acabam sendo alugar carro, remis (taxis com preço fixo) ou contratar excursões. A taxa de cubierto, bem comum em Buenos Aires, não é cobrada em Mendoza. Quanto à gorgeta, pode não vir expressa na notinha, mas é sempre apreciado que se pague os 10%.

Mendoza é uma cidade que pode ser visitada o ano inteiro. Cada estação traz suas próprias atrações e o visual é sempre incrível. Se você não quer perder a temporada de neve e as estações de esqui, a melhor época é entre junho e agosto. Já no verão, você vai poder aproveitar várias outras atividades outdoor, como caiaque, rafting, voos de asa delta e trilhas – inclusive, o Parque Provincial Aconcágua, que abre apenas de novembro e março.

Para finalizar, as bodegas funcionam o ano inteiro, mas se você quiser estar em Mendoza durante a época da colheita, vale ir entre fevereiro e abril, quando ocorre a Fiesta Nacional de la Vendimia, um grande festival para celebrar o vinho da região. As datas variam todo ano, mas costumam cair no começo de março. De forma geral, o verão tem temperaturas média dos 25ºC (e costuma chover bastante), e o inverno é mais seco, com temperaturas baixas, podendo ficar abaixo de zero. Boa viagem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *