Castração

Recomendada como medicina veterinária preventiva, a castração traz benefícios à saúde dos bichinhos.

Castração é considerada pelos veterinários como uma importante medida preventiva e recomendada pela maioria dos profissionais. O procedimento diminui a produção de hormônios sexuais que ajuda a precaver algumas doenças graves, aumentando a longevidade dos pets. Além de outros benefícios como mudança no comportamento e controle de natalidade.

Porque castrar?

Quando se trata do controle de natalidade dos bichinhos, a castração pode ajudar a diminuir o índice de abandono de filhotes nas cidades. Uma vez que o nascimento não planejado das crias pode liderar os motivos de abandono. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE), o Rio de Janeiro tem mais de 3 milhões de animais abandonados. A quantidade de cães é quase o dobro da quantidade de gatos. Durante a pandemia, houve um aumento de 40% no número de abandonos.
Quando se trata de prevenir doenças físicas, a piometria (inflamação grave no útero) é a mais significativa, além de diminuir em 90% o desenvolvimento do câncer de mama. Também podem ser reduzidas a possibilidades de uma gravidez psicológica (pseudociese). Já para os machos, a castração diminui o territorialismo, os riscos de câncer nos testículos ou na próstata.
Alguns especialistas e plataformas afirmam que é mito o fato da castração inibir comportamentos indesejáveis como agressividade, latidos em excesso e a disposição para brincadeiras. A castração vai inibir comportamentos que estejam relacionados aos hormônios sexuais como a demarcação de território com urina e ficar se esfregando em objetos ou pessoas, simulando a cópula.

Quando castrar?

Esta resposta deve ser dada pelo médico veterinário, após analisar o quadro clínico do pet. Em geral, a indicação de castração surge quando o bichinho alcança a maturidade sexual. Este período pode ser identificado como antes do cio das fêmeas e logo depois do ciclo de vacinas pediátricas nos machos. Mas, é importante lembrar que cada pet é um individuozinho que tem as suas características, como o porte e biótipo que precisam ser avaliadas.

Como funciona?

Sem distinção de gênero, antes do procedimento de castração é necessário realizar um check-up com exames pré-operatórios como de sangue e eletrocardiograma para avaliar o estado de saúde do pet e decidir o melhor momento para executar o procedimento cirúrgico. Peso e idade também são fatores que podem influenciar na avaliação.
Alguns especialistas classificam a anestesia inalatória como a forma mais segura, pois proporciona a dose necessária de anestésico, durante o tempo da cirurgia de acordo com a variação do pet. A inalação é cessada logo após o termino do procedimento, o que pode agilizar a recuperação da sedação ou até mesmo aumentar a chance de reversão de alguma intercorrência durante a cirurgia.
Nos machos, são removidos os testículos da bolsa escrotal. Nas fêmeas, são retirados os ovários e útero. No pós-operatório, os pets podem usar roupa cirúrgica e/ou colar protetor que impedem o acesso ao corte cirúrgico e em alguns casos, tomar medicações (anti-inflamatório). Entre 7 e 10 dias, os pontos poderão ser removidos, dependem do processo de cicatrização.

Atenção às fêmeas

Mesmo sendo um procedimento simples e rotineiro, a atenção precisa ser redobrada na castração das fêmeas, por se considerada mais delicada. A cirurgia é mais invasiva por se tratar de útero e ovários, diferentemente dos testículos dos machos. A recuperação pode ser um pouco mais demorada e dolorosa, precisando da utilização de analgésicos em alguns casos. Porém, sempre com a prescrição médica, nunca administre medicamentos no seu pet sem a recomendação do veterinário.
Uma situação rara, mas que pode ocorrer é a síndrome do ovário remanescente. São sangramentos parecidos com ciclo estral mesmo depois da castração. Isto ocorre quando um fragmento do ovário permanece no organismo da cadela. Neste caso, é preciso levá-la ao médico-veterinário para avaliação de uma possível intervenção cirúrgica para remover o fragmento.

Pós-cirúrgico e sequelas

Geralmente, os machos tem uma recuperação mais rápida que as fêmeas. Eles podem ter alta no mesmo dia da cirurgia. Já as fêmeas, aconselha-se que fiquem em observação nas primeiras 24 horas após a cirurgia. Isto ajuda no controle da dor, monitoramento da pressão e intervenção em possíveis sangramentos, caso ocorra.
Apesar de ser considerada uma cirurgia simples, podem ocorrer algumas complicações após a castração. Por isso, a importância de ter grande cautela em escolher a clínica e seguir à risca todas as recomendações do pré e pós-operatório.
Sabe aquele colar que o gato ou cão ficam aparecendo um abajur? Então, ele é conhecido como colar elisabetano ou de roupa cirúrgica, que é fundamental para este momento pós-cirúrgico. Ele protege os pontos da compulsão do pet em ficar lambendo o local da cirurgia ou tentar arrancar os pontos, podendo causar infecções e/ou abertura do corte cirúrgico.
Outro comportamento, ocasionado pela diminuição da dor, é o esquecimento do pet em ter sofrido um corte. Ele acaba agindo de forma natural e agitada, podendo causar lesões e outras complicações. Este comportamento é muito comum nos filhotes. Por isso, é aconselhado colocá-los em ambiente calmo e não fazer atividades que possam lhes agitar.
Alguns sintomas como alterações na temperatura, manchas no abdômen, sangramento e vômitos precisam de atenção, pois alguma coisa pode estar errada. Caso o seu pet tenha algum destes sinais retorne ao médico-veterinário para uma avaliação e atendimento.

Castração gratuita

A Subsecretaria de Bem-Estar Animal (Subem) disponibiliza o agendamento de castração de cães e gatos gratuitamente. Segundo a Subem, mesmo durante a pandemia, entre janeiro e outubro foram esterilizados mais de 22 mil animais e realizados cerca de 27 mil atendimentos clínicos.
Segundo o site da Prefeitura, o agendamento é bem simples. Basta acessar o site http://saa.rio.rj.gov.br/pessoapublico/index . No primeiro acesso é necessário clicar em “Quero me cadastrar” na parte inferior da página e preencher os dados. Caso já tenha cadastro, basta preencher os campos CPF e senha, e depois selecionar a opção “Agendar Esterilização de Animais”.
No site é possível encontrar as orientações e cuidados pré-operatórios antes de levar os bichinhos para o procedimento de castração e a lista das unidades de serviço de atendimento médica veterinária. As unidades estão disponíveis nos bairros: Ilha do Governador, Flamengo, Paciência, Bangu, Campo Grande, Bonsucesso, Vicente de Carvalho, Engenho de Dentro e Guaratiba.
Segundo o site da Prefeitura, o atendimento clínico é por ordem de chegada. Funciona de segunda à sexta, de 08 às 17h. A triagem começa às 08h. Vacinação, exames laboratoriais, internação e cirurgias ortopédicas não são realizadas nas unidades de atendimento clínico.

Subsecretaria de Bem-estar Animal
(21)976-2893, 3402-0380, 2976-2932, 2088-0997
WhatsApp: (21) 99399-3968

Posto 01 – Bonsucesso:
Avenida Brasil, nº 6.475
(esquina com a Rua Teixeira Ribeiro – passarela 9)

Posto 02 – Engenho de Dentro:
Rua Dois de Fevereiro, nº 711
(ao lado da Escola Especial Municipal Dr. Ulisses Pernambucano)

Posto 03 – Guaratiba:
Fazenda Modelo – Estrada do Mato Alto, nº 5.620
(ao lado do Posto de Saúde Maia Bittencourt)

Para mais informações, ligue para a Central
de Atendimento ao Cidadão 1746

Campanha de Arrecadação de Tampinhas Plásticas

Se você é uma pessoa que se preocupa com questões sociais, então fique ligado na Campanha que o Programa SOMA da ASSIST preparou com a ONG Rio Eco Pets. Você vai ajudar duas causas ao mesmo tempo: Ambiental, com a destinação correta de tampinha plástica e a animal, com a castração de cães e gatos abandonados ou de famílias de baixa renda.
O objetivo da Rio Eco Pets é arrecadar recursos para a castração de animais em situação de vulnerabilidade com a venda de tampas plásticas. São mais de 500 pontos de coletas no município do Rio de Janeiro e a ASSIST se tornou um deles. A ONG já arrecadou mais 135 toneladas e ajudou 869 animais, segundo o seu perfil no Instagram.
Como você pode participar? Doando as suas tampinhas. Junte todas que estão nas embalagens que seriam jogadas no lixo em sua casa: de álcool em gel, sabonete líquido, hidratante, água, refrigerante, mate, suco, leite, margarina, requeijão, cosméticos, sorvete, shampoo, condicionador, material de limpeza, pasta de dente, caneta e por aí vai. São muitas tampinhas que podem ser coletadas.
Atenção: As tampinhas precisam estar limpas e secas, sem resíduos dos produtos, pois senão podem contaminar as demais tampinhas.
Onde entregar? A ASSIST se tornou um ponto de coleta, basta levá-las na sobreloja 207 da Rua Senador Dantas, 117, Centro/RJ, entre 8h e 17h, de segunda à sexta. Ou se preferir, consulte o ponto de coleta mais próximo da sua residência, no perfil do Instagram/@rioecopets.
Outra forma de ajudar é sendo um voluntário. A Rio Eco Pets sempre precisa de voluntários com disponibilidade de coletar e separar as tampinhas, em diversos bairros do Município. Acesse o link no storie de destaque “Cadastro” no perfil do Instagram/@rioecopets e participe. A natureza e os animais agradecem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *