Psicodinâmica das cores

Por Leonardo Costa

Cada cor tem a sua frequência e capacidade de nos criar um estímulo específico.

As cores estão presentes em tudo que reconhecemos a nossa volta e até em coisas que não conseguimos reconhecer ou enxergar. “Presente nas coisas, nos processos e nos lugares, desde o mundo microscópico das bactérias até as dimensões imensas da galáxia”, afirma o filósofo e cientista Osny Ramos em seu livro “Os 5 princípios da Psicodinâmica das Cores”.

Segundo o autor, onde existe qualquer atividade humana as cores estarão presentes, seja em representações artísticas, processos científicos ou tecnológicos, no comércio, na arquitetura, na decoração, incluindo artes e vestuários que atravessam épocas e culturas. “Somos reféns das cores e seus efeitos psíquicos e não há como evitá-los”, afirma.

Um pouco de física
Osny Ramos nos lembra, em sua publicação, que as cores são energias e não controlamos o nosso envolvimento com elas. Presente nos ambientes, se irradiando por todos os lados, elas penetram em nossa retina e se introduzem no cérebro, sem pedir permissão. Produzindo assim as sensações cromáticas.

Este princípio físico é apresentado em nível atômico. A luz nada mais é que o resultado da movimentação de elétrons entre as órbitas do átomo. Esta energia pode ser produzida em diversas frequências, consequentemente, diversas cores. Ou seja, as cores são energias vindas do interior dos átomos e podemos considerar que elas exprimem a essência das coisas.

As diferentes cores correspondem às diferentes frequências das energias eletromagnéticas. A mente humana é capaz de detectar a energia de um único fóton, partícula de luz capaz de se movimentar no vácuo. Pode-se concluir que o ambiente em que estamos está impregnado de energia e radiação, originada nas cores, que atuam sobre nós. “Como se as cores se constituíssem de uma metalinguagem para o psiquismo humano”, reflete o autor.

Segundo especialistas, essa energia da natureza é mensurada em medida de frequência (hertz), comprimento de onda, amplitude, vibração, polarização, reflexão, refração, difração e outras grandezas físicas. Quando estamos em um ambiente carregado com uma determinada cor, estamos recebendo a energia e radiação correspondente a ela.

“Quando você se sente intelectualmente lento e mentalmente preguiçoso num ambiente bege, saiba que isso não é causado por um estado psicológico negativo. Isso acontece porque os fótons refletidos pelo bege do ambiente estão atuando sobre o seu psiquismo”, explica Osny Ramos em seu livro.

Existe uma teoria muito interessante do autor, que as cores são reconhecidas como a impressão digital dos fenômenos e processos da natureza. Formado pelas sete cores do arco-íris, o espectro das cores é imutável, independentemente de como e onde o projetamos. Ele segue uma ordem de sucessão que se relaciona especificamente com cada processo ou fenômeno natural, reproduzindo em nós os mesmos efeitos destes aspectos.

Por exemplo, a cor que as estrelas emitem quando estão se afastando ou se aproximando do objeto que as observa: Vermelho é expansão, distanciamento e azul aproximação, concentração. Outro exemplo apresentado pelo autor é a cor cinza estar relacionada aos dias nublados, sem o amarelo do sol e o azul do céu. “Descobrimos que essa cor invariavelmente nos deixa deprimidos, tristes e melancólicos”, explica Osny Ramos.

Os Chakras
Outro aspecto sutil das cores pode ser encontrado nos Chakras. Na língua sânscrita, Chakras significa roda de luz. Elas representam os aspectos da natureza sutil do homem, que incluem o corpo físico, mental, emocional e energético. Localizados ao longo da coluna vertebral, temos sete Chakras principais.

Segundo alguns historiadores, a teoria dos chakras vem da tradição tantra yoga, que floresceu na índia entre 600 e 1300 d.C. Os hindus representam os chakras com mandalas, suas respectivas cores e quantidades de pétalas nas mandalas.

Segundo Judy Hall, escritora do livro “Conhecimento Prático com Cristais”, os Chakras são centros de energia do corpo responsáveis pela distribuição da nossa energia vital. Cada um governa aspectos específicos das emoções e do comportamento. Conhecer o significado de cada um, pode contribuir muito para o autoconhecimento e crescimento pessoal. A medição de equilíbrio dos chakras é a sua vibração, que pode estar alta ou baixa.

É possível identificar quando algum Chakra está desequilibrado ou até mesmo bloqueado, causando problemas no corpo físico, mental e espiritual. Mesmo cada Chakra tendo uma cor específica relacionada, eles também podem absorver qualquer cor. Vai depender do estado emocional ou necessidade de cada um, naquele momento de análise. A cromoterapia ou a cristaloterapia podem restaurar o seu equilíbrio, harmonizando a condução energética no corpo.

Cromoterapia
Pode ser considerada como uma terapia muito agradável, capaz de proporcionar resultados rápidos. Muito utilizada para conseguir equilibrar sentimentos e emoções, ela faz uso da frequência luminosa de cada cor para trazer bem-estar, saúde física e mental ao paciente. Sem restrição de idade, especialistas afirmam que a pessoa percebe a luz colorida, assimilando as suas vibrações e que consegue regular qualquer distúrbio que possa existir no corpo.

Segundo alguns historiadores, desde aproximadamente 2.800 a.C. alguns povos antigos como egípcio, grego, indiano e chinês tratavam algumas doenças com a utilização das cores. Arqueólogos descobriram salas coloridas que indicavam esta utilização nos templos egípcios em Karnak e Tebas. Alguns estudos também concluíram que, na antiguidade, egípcios, indianos e chineses utilizaram pedras coloridas para energizar a água e tratar a saúde.

Alguns locais, como mesquitas no Irã, foram construídos com aplicação de azulejos de diversas cores, desenvolvendo assim a inspiração e purificação espiritual. Já na Idade Média, no Ocidente a cromoterapia só era utilizada por iniciados, por ser uma prática considerada como bruxaria pela Igreja Católica.

Porém, o cientista Johann Walfgang Von Goethe descobriu, no século XVIII, que as cores influenciavam o organismo, comportamento e a nossa mente. O Reiki, o Feng Shui e a Hidroterapia são algumas das terapias que também se apropriam da cromoterapia, utilizando cores e suas respectivas vibrações.

Quente ou frio
No aspecto psicológico, as cores vermelho, laranja e amarelo são consideradas quentes e o azul, verde e roxo o seu oposto, frias. Ao imaginar uma chama azul, lhe traz a mesma sensação de calor ao imaginar uma chama com tons vermelhos? Com toda esta informação, que tal recolorir e equilibrar as cores a sua volta?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.