Terrários

Por Leonardo Costa

Originalmente criados para reproduzir um ambiente propício para pequenos animais, hoje, são mais conhecidos como os minijardins de decoração e até mesmo terapia.

Sem sombras de dúvida, o modo mais rápido para adicionarmos um toque de verde em qualquer ambiente da nossa casa, com um pouco de sofisticação, é adquirindo um terrário. Conhecidos como minijardins ou jardins em potes, estão a venda em diversas floriculturas, tanto físicas como on-line. São um mimo para a residência que podem ser alojados em qualquer cômodo que receba alguma incidência de luz solar. Além de servirem como foco de contemplação e relaxamento, durante a meditação.

Mas, há quem queira construir o seu próprio minijardim, com mais significado, identidade e sentimentos. Nos mais diversos tamanhos, os terrários podem ocupar desde uma pequena lâmpada antiga, até mesmo uma enorme garrafa, de corpo mais bojudo. O importante é começar com algo que se adeque ao seu estilo de vida. O processo de construção de um terrário pode acalmar, diminuindo a sensação de estresse e ansiedade, podendo ainda presentear os amigos e familiares.

Sua origem
Ao pesquisarmos nos dicionários, o terrário é definido como um lugar adaptado para abrigar animais, como répteis, roedores, aracnídeos e etc, com elementos necessários para que o ambiente esteja propício para a vida do bichinho que nele irá habitar. Aparentemente atual, em nossa pesquisa, encontramos relatos que remetem os terrários aos tempos vitorianos, no século XIX. Sendo utilizado pela primeira vez por um botânico que queria cultivar uma espécie de planta, com o intuito de isolá-la de um ambiente poluído.

Ao longo da história, a sua utilização teve várias finalidades: estudo, transporte e até cultivo. Geralmente, em recipientes fechados, foram muito utilizados para proporcionar a sobrevivência de plantas em ambientes considerados inóspitos para as espécies cultivadas. Contribuíram para o desenvolvimento da comercialização e importação de plantas. Retornando nos anos 70, como moda hippie nos Estados Unidos, e hoje, estão presentes nas residências brasileiras, nos mais diversos formatos.

Utilidades
Reconhecidos como jardins em potes, os terrários podem representar muitas coisas na vida de quem os cultiva. Para quem gosta de plantas, além de representar a possibilidade de uma relação mais próxima com a natureza, também pode proporcionar harmonia e equilíbrio no ambiente. “Terrários são objetos de decoração e contemplação. São ideais para quem não tem um jardim em casa, decorando varandas e espaços internos, e para quem não tem muito tempo para cuidar, mas ama plantas”, afirma a designer especialista em Botânica Criativa, Fabiane Mandarino.

Como uma opção de presente, principalmente em datas especiais, eles podem expressar o reconhecimento da admiração, respeito, carinho e amor por alguém. “É um presente inesquecível, para quem tem tudo”, lembra Fabiane Mandarino. Para quem escolher montar o seu próprio terrário, preparamos alguns passos e dicas importantes, que poderão lhe ajudar, como: recipientes, tipos de plantas, utensílios, materiais e insumos.

Dependendo do tamanho e formato escolhido, alguns utensílios são necessários para montar o seu terrário. Quanto menor, mais delicados serão os detalhes e a arrumação interna, necessitando de instrumentos como funil, pinças ou palitos, para ajudar o manuseio dos materiais no seu interior. É certo que todo o terrário precisa ser feito em um recipiente de vidro para melhor compor a sua integração com o ambiente que ele irá ficar.

O recipiente
Além do tamanho, para a escolha do recipiente é preciso levar em consideração o tipo de terrário que você gostaria de construir, o local que ele irá ficar e alinhar aos tipos de plantas que gostaria de cultivar. O vidro deve ser transparente, sem nenhuma coloração, para que a incidência de luz consiga alcançar as plantas. O tipo de manutenção irá depender se a estrutura for aberta ou fechada. Pode abusar das opções alternativas como garrafas, lâmpadas, potes e até aquários.

Fechado ou aberto
A mágica de um terrário fechado, que precisará de menos irrigação do que o aberto, é a capacidade de criarmos um ecossistema em miniatura. Alinhados à incidência de luz, o processo da fotossíntese e a respiração das células dos micro-organismos presentes no substrato fecham o ciclo do dióxido de carbono e oxigênio, criando um equilíbrio no ambiente. “Terrários fechados simulam biomas úmidos e são ideais para samambaias, musgos e etc.”, lembra a professora de terrários, Fabiane Mandarino.

Porém, ambos precisam de cuidados similares, com um monitoramento regular. Na estrutura aberta, a professora indica utilizar plantas que gostem de ventilação como os bonsais, plantas aéreas e espécies que precisem de um solo com uma boa drenagem como os cactos e suculentas. E, vale lembrar que a rega ou iluminação inadequada por um longo período pode prejudicar as plantas, podendo desenvolver fungos ou pragas.

Como montar
Basicamente, a lista de material e insumos necessários para a composição do terrário é bem simples: pedras, carvão, substrato (terra) e pedriscos. A primeira parte a ser preparada é a área de drenagem no caso de excesso d’água. Coloque as pedras maiores, seguida por uma camada de carvão do tamanho de pedrisco, que será responsável pela filtragem e retenção do substrato. A área da drenagem é essencial para manter em segurança a saúde da planta, para que as suas raízes não apodreçam no solo encharcado.

O substrato é o local onde as plantas irão crescer e fixar as suas raízes, extraindo os seus nutrientes, e pode ser composto pelos mais diversos tipo de materiais orgânicos e minerais. Ele deve ser utilizado de acordo com a espécie escolhida. Depois de colocá-lo no terrário, acomode as plantas e finalize com o pedrisco ou musgo. O acabamento irá respeitar o designer escolhido para a ornamentação, utilizando diversos materiais.

O que plantar
Suculentas e Cactos – são simplesmente adoráveis e podem ser encontrados em diferentes formatos e tamanhos. Gostam de menos água e preferem um solo bem drenado. Irrigue apenas a terra, não precisa molhar o corpo da planta. Diferentemente dos cactos, as suculentas não suportam altas temperaturas e precisam estar posicionadas em locais com luz solar indireta, preferindo temperaturas amenas.

Samambaias – são ideais para dentro de casa, por habitarem originalmente as áreas dos sub-bosques, gostam de claridade e humidade. Mas, não podem ser expostas diretamente ao sol, principalmente em terrários fechados. Apesar de serem primitivas, são espécies delicadas como renda portuguesa e a havaiana que não podem ser expostas ao vento e a avenca, que apesar do caule forte, tem folhas sensíveis que precisam de abrigo.

Musgos – ficam lindos na decoração, tanto simulando grama quanto na cobertura das pedras. Precisam de luz indireta e se desenvolvem muito bem no ambiente úmido e autossustentável do terrário fechado. Quanto mais escuro o substrato, mais úmido. Caso o recipiente fique com gotículas de água, é recomendado abri-lo por algumas horas para sair o excesso de água. Caso fiquem com as pontas amareladas, podem ser falta de água ou luz.

“Quando confecciono terrários, fico focada naquele momento presente. Todos os afazeres ou problemas são colocados de lado temporariamente e quando retorno as minhas atividades vejo as coisas com mais clareza.”

Fabiane Mandarino (Designer especialista em botânica criativa)

Ornamentação
A professora Fabiane Mandarino incentiva os seus alunos a buscarem uma identidade visual única, tendo como fonte de inspiração as experiências culturais e sociais. “Cada designer de terrário terá uma assinatura”, ressalta. Pedras coloridas, conchas e esculturas, que podem representar algum local que tenha visitado ou simbolize a sua religiosidade, podem ser utilizados na ornamentação.

As possibilidades são infinitas. Imagine a reprodução de ambientes inóspitos como a área de uma montanha rochosa, utilizando pedras um pouco maiores, musgos e bebês de samambaias. Ou, um deserto, colocando acima do substrato, uma areia mais fina, pedriscos e até mesmo a estatua de um crânio ou escorpião. Que tal uma casa no campo? A miniatura de uma casa no meio do musgo. Uma praia também seria muito interessante com conchas em suas mil formas e cores.

Curiosidade
Você sabia que, no condado de Surrey no sudeste da Inglaterra, foi registrado um terrário com aproximadamente 58 anos de idade? Segundo o site dailymail, o proprietário David Latimer o regou pela última vez em 1972. A planta robusta, ocupando todo o espaço interno do garrafão fechado de 10 Litros, sobreviveu inteiramente com ar reciclado, nutrientes e água do seu próprio ecossistema em miniatura. Localizado embaixo de uma escada, recebeu luz solar indireta suficiente para impulsionar todo o processo de desenvolvimento.

Não perca a possibilidade de inovar na decoração dos seus espaços, apesar de não haver estudo científico, terrários podem ser um hobby saudável e a professora Fabiane Mandarino acredita que o contato com a terra e plantas possa purificar as nossas energias. Criadora do Terrários & Cia, ela criou um cupom de descontos de R$ 50,00 no seu curso online de “Terrários de Suculentas” para os associados da ASSIST, que pode ser utilizado até 30 de novembro, deste ano. Basta entrar no site https://terrariosecia.com.br/curso/ curso-de-terrario-de-suculentas e digitar o cupom “AmigoAssist”, antes de fechar a compra. Bom Cultivo!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.